Desistir vs lutar

https://m.youtube.com/watch?v=5FM5Akcjraw
Encontrei esta música que transmite tudo aquilo que eu sinto neste preciso momento.
Bem, finalmente posso dizer. Já se passaram alguns meses, mas é oficial. Voltei ao trabalho.
Apesar de todos me dizerem que não aguentaria a trabalhar, mesmo com a opinião de 3 dos 4 médicos que eu consultei e o meu 3C me ter dito que não me aconselhava a trabalhar eu fui. Eu tinha de ir experimentar, senão iria ficar sempre na dúvida, mas fiz e consegui. Eu costumo dizer: vim,vi e venci!
Estou a trabalhar desde junho oficialmente, porque off the recorde; estou a trabalhar desde abril. Vou ser sincera tive alguns problemas com a empresa inicialmente, porque dois anos em casa diretos pode trazer alguma confusão com as leis e com o sistemas. Porque em Portugal quando se está de baixa por doença não se acumula férias, perde-se o direito a elas. Então quando voltei a trabalhar pensavam que eu tinha 70 dias de férias e marcaram para eu ir de férias logo que saísse da baixa o que afinal não era correto o que era correto é que só tinha direito a 22 dias de férias porque foram os únicos dias que transitaram do o ano em que entrei de baixa.
Mudando de assunto e falando do que interessa mesmo.
Comecei a trabalhar, tive que me adaptar como é lógico as novas regras, novo sistema, novos códigos, novos colegas. Isto porque eu trabalho na loja Lidl. Pensei mesmo que possível não me iria habituar nem iria conseguir. Tive que preparar o meu corpo para estar constantemente em esforço, ou seja tive que frequentar um ginásio todos os dias só descansava ao fim de semana.
Estou me a aguentar até agora bem só tive necessidade uma única vez de ir mudar a placa no horário de trabalho. É lógico que o apoio dos chefes e dos colegas, que tem sido fundamental e muito bom, e com o carinho dos clientes tem sido bem mais fácil de se superar porque não vou dizer que tem sido uma experiência fácil porque não tem sido, mas se fosse para ser fácil não metia graça e como eu gosto de desafios... Este tem sido bem  mais fácil de superar que o desafio de me ver diferente todos os dias ao espelho.
Eu não gosto de ver a expressão na cara das pessoas quando digo que tenho o saco, elas ficam logo com aquela expressão de pena, caladas e quase dá para ler o que lhes está a passar pela cabeça delas naquele preciso momento, mas nada que um bom sorriso não resolva e elas devolvem depois uma frase positiva e de incentivo com um sorriso igual o que é muito gratificante depois.
Isto tudo para dizer o quê? Simples! Não desistam por mais que vos digam o contrário, porque mesmo quando fui falar com o meu chefe de zona à uma ano atrás praticamente ele me disse: "Rute você pode vir o seu lugar está garantido, mas o mais provável, na sua situação, o melhor é reformar- se; pelo que a minha experiência nesta profissão me diz.", eu não desisti estou aqui sinto- me bem e útil, mesmo faltando uma operação e estando em exames para essa operação eu estou aqui viva e com vontade de viver e vencer.


NUNCA DESISTIR
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Experiência kefir

Sacada do dia

Comunicado às senhoras